Como introduzir um filhote na casa com um cão adulto

A grande maioria das pessoas que tem um cão adulto já deve ter passado por esse problema ao trazer um filhote para casa. Como introduzir o filhote na casa que já tem um cão adulto da forma correta?

A primeira impressão é a que fica

É isso mesmo. Recomendo que você tome muito cuidado na primeira apresentação, pois isso pode facilitar ou atrapalhar demais todo o processo, dependendo de como você fizer.

O problema é que a maioria acha esse cuidado besteira ou faz essa introdução de qualquer jeito. Isso acaba gerando muitos problemas pela simples falta de conhecimento e entendimento da situação.

Cão adulto dificilmente tem paciência com filhote

Saiba que cães adultos normalmente não gostam muito de filhotes. Isso é ainda mais verdade se você não fez um excelente trabalho de socialização desse cão adulto com filhotes. É necessário que o adulto tenha uma habilidade social para sair de situações desafiadoras.

Uma coisa que complica ainda mais o problema é quando a família tenta trazer um filhote para casa na expectativa de ajudar o cão mais velho a gostar de outros cães. É aí que mora o perigo e é justamente por isso que sempre falo que nem sempre pegar um filhote pode ser uma boa ideia para melhorar a vida do mais velho.

Um cão adulto que gosta de outros cães já teria dificuldade em se adaptar com um filhote novo na casa. Filhote tem muita energia, quer brincar o tempo todo, não sabe respeitar o espaço do adulto, insiste demais nas brincadeiras, não entende que o adulto quer descansar ou que ele não está interessado em brincar.

Pensar em pegar um filhote porque não está tendo muito tempo para o cão mais velho ou porque quer resolver os problemas dele é como ter um filho adolescente em casa dando trabalho e resolver ter outro filho pra ver se o primeiro para de dar muito trabalho.

Filhote com cão adulto não é amor na certa

Se um cão que gosta de filhotes já terá dificuldade em tolerar um, imagine um cão adulto que não gosta de outros cães? Vai ser o pesadelo na vida dele. Não é a toa que escrevi um artigo falando sobre as vantagens e desvantagens ao trazer um segundo cão para casa.

Então se você está pensando em fazer isso, minha sugestão é que primeiro você saiba exatamente o que precisa ser feito antes mesmo de começar. Caso contrário, terá grandes chances de dar errado.

Existem algumas estratégias que você pode adotar para aumentar as chances de sucesso e garantir uma boa convivência do adulto com o filhote, vou citar as principais.

O primeiro passo

O cão adulto precisa ter a suíte canina dele organizada na casa e precisa gostar de ficar lá. Se você não sabe como fazer isso, recomendo que leia o artigo de como fazer o cão gostar de ficar sozinho.

Além dessa suíte canina do adulto, você vai precisar criar uma suíte canina para o filhote também (e principalmente para o filhote). Isso não é frescura, vai te ajudar muito na organização do ambiente e evitar problemas tanto para o adulto quanto para o filhote. Foi exatamente isso que fizemos aqui quando trouxemos a Momo (filhote de Border Collie) para se adaptar com o Pop (13 anos).

Se você quer ver tudo que fizemos com a Momo durante as 12 primeiras semanas dela em casa, não deixe de acompanhar tudo isso no “Diário de um filhote” que é um dos bônus do nosso curso on-line Cão Popstar.

No diário eu mostro desde o que comprar para o filhote, como organizar a casa, como foi a primeira apresentação do filhote para o adulto e como serão os primeiros meses de adaptação deles.

Talvez você não consiga criar duas suítes na sua casa. Nesse caso, o mínimo que você vai precisar fazer é dividir a casa em dois ambientes, pois o filhote não pode ficar junto com o adulto o tempo todo e muito menos ficar solto pela casa.

Não deixar o cão solto pela casa o tempo todo vai ajudar a ensinar a fazer o xixi e cocô no lugar certo, evitará que ele fique roendo e destruindo as coisas, além do que vai ajudar na independência desse filhote.

O segundo passo

Depois desses cuidados, os poucos momentos em que os cães ficarão juntos, você estará supervisionando os dois. Isso significa que você vai estar 100% focado nos dois cães e de preferência fazendo uma atividade que eles gostam (treininhos costumam funcionar bem).

Se você quer ver um exemplo disso, dê uma olhada nessa publicação do Instagram. É importante que essas atividades façam com que os cães fiquem focados em você e não fiquem tentando interagir entre eles. Preferencialmente mantendo uma distância de pelo menos 2 metros entre os dois.

Desenvolver a habilidade de autocontrole e referência no cão filhote e adulto também ajudará muito nesse processo. Aqui por exemplo tem um vídeo mostrando um dos treinos de referência que podem ajudar.

Com o passar dos dias, durante as pausas nos treinos, você pode começar a deixar os dois interagirem um pouco. Se por acaso perceber qualquer sinal de desconforto do cão adulto, chama o filhote ou pega ele e leve para longe do adulto.

O mais importante durante esse processo é o cão adulto ser introduzido aos poucos ao filhote. Além disso, você precisará ensinar o filhote a respeitar o espaço do adulto. Principalmente se o adulto não tem muita paciência.

Com o tempo você vai criando um vínculo maior entre os dois, o filhote vai aprendendo a respeitar o espaço do outro e o adulto vai tolerando cada vez mais o filhote.

Tenha paciência com o filhote e com o cão adulto

Isso não é algo que acontece do dia para noite. Então saiba que você vai precisar mantê-los separados por pelo menos 1 mês, às vezes 2 ou até 3 meses antes de começar a dar mais liberdade para o filhote e começar a deixar os dois mais tempo juntos.

Quanto menos você tentar forçar a interação e a amizade entre os dois, maiores as chances de sucesso e mais rápido será a adaptação, por mais estranho que isso pareça ser. Já atendi muitas famílias com esse tipo de problema e todas seguiram o mesmo roteiro que passeio aqui para você.

Aos poucos você irá aumentar o tempo dos dois juntos sem supervisão, mas não tenha pressa.

É isso que fizemos aqui quando trouxermos a Momo para o nosso apartamento. Eu sei que parece algo complexo e demorado, mas se quiser ver isso na prática acontecendo e todo o passo a passo que fizemos aqui, não deixe de acompanhar lá no Diário de um filhote.

Rafael Velozo

Rafael Velozo

É adestrador comportamentalista, fundador da Cão+Saudável e idealizador do Portal Cão+Saudável.
COMPARTILHE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
LEIA MAIS
DEIXE UM COMENTÁRIO