Ficar sozinho

Como ensinar o cachorro a gostar de ficar sozinho

Recebi uma pergunta sobre como incentivar o cachorro a brincar sozinho e resolvi escrever esse texto aqui para complementar o assunto, já que o fato do dele brincar sozinho está relacionado ao cachorro ser mais independente e conseguir ficar bem sozinho.

Se por acaso você quer algumas dicas para o cão brincar mais sozinho, veja o artigo sobre esse assunto que já escrevemos também.

Cachorro ficar sozinho

A mudança na relação homem x cachorro

Só para você entender, hoje a relação entre o cão e humano mudou bastante. Temos muitos cães nos grandes centros morando dentro de apartamentos pequenos e consequentemente, passam praticamente o tempo inteiro juntos com sua família. Os cães estão no quarto dormindo junto com as pessoas, na sala enquanto assistem TV e até no banheiro enquanto tomam banho.

Qual o problema disso? Por um lado, é ótimo que eles estão muito mais próximos de nós, mas esses excessos traz algumas consequências negativas. Por conta dessa proximidade excessiva, os cães acabam se tornando extremamente apegados e dependentes do seu responsável. Então temos cães que não:

  • Sabem ficar sozinhos;
  • Foram incentivados a interagirem sozinhos;
  • Aprenderam a lidar com a frustração de ficar restrito em algum lugar longe de alguém.

O grande problema disso é que o cão só consegue ter atividades e momentos de qualidade enquanto tem alguém por perto. Basta as pessoas saírem do apartamento que a vida desse cão acaba, ele desespera ou então fica o tempo inteiro dormindo e aguardando ansiosamente pelo retorno das pessoas, já que ele nem sabe o que pode fazer sozinho.

Cachorro na porta

A saída do quintal para dentro das casas

Isso não era um problema em um cão que morava no quintal das casas porque ele dormia sozinho e passava parte do seu dia separado das pessoas. Mas isso não acontece em um apartamento. Também não significa que você deve largar o seu cão fora de casa e muito menos que todos os cães que vivem no quintal tem uma vida ótima.

A ideia é só trazer para reflexão e mostrar a importância de incentivar o cachorro a ficar sozinho. Então como você pode mudar esse cenário?

Como incentivar o cachorro a ficar sozinho?

Existem várias formas de se fazer isso e quantas etapas e o tempo necessário para realizar todo o processo até o cachorro ficar sozinho vai depender de cada caso. Quanto mais apegado, mais etapas e tempo você precisará para trabalhar isso.

  1. A primeira coisa que recomendo fazer é comprar um ou mais daqueles portãozinhos ou cercadinhos para bebês, pois assim é possível separar os ambientes da casa sem necessariamente fechar as portas.
  2. Usar os cômodos com as portas fechadas, ou seja: vai no banheiro, feche a porta e deixe o cão para fora. Vai no quarto fazer algo, feche a porta. Vai na sala, deixe o cão no quarto.
  3. Para facilitar no início, sempre que o cão for ficar separado, ofereça roedores de alto valor (ossos, cartilagens e vísceras desidratadas) ou algum brinquedo recheado com recheio de alto valor. Assim o cão começará a associar o momento de ficar sozinho (com você em casa) com algo que ele raramente recebe (aqui está o pulo do gato) e assim que você retorna, perde esse objeto/brinquedo.

Com o tempo, o cão vai vendo que é normal e corriqueiro as pessoas entrarem e saírem. Além disso, na maioria das vezes em que ele fica alguns minutos sozinho e isolado, ganha algo muito bom. Após algumas semanas fazendo isso, com certeza ele vai passar a gostar mais de ficar sozinho e normalmente começa a acontecer duas coisas:

  1. O cão descobre que há uma vida sem as pessoas e acaba sendo automaticamente reforçado por estar sozinho com algum roedor/brinquedo recheado;
  2. A pessoa aprende a observar mais as preferências do cão e ver o que ele gosta ou não gosta para usar as coisas que despertam maior interesse nesses momentos de isolamento.

A pressa é a inimiga da perfeição

Qual o maior erro que as pessoas cometem nesse processo?

  1. Querer evoluir rápido demais. O cão nunca foi acostumado a ficar trancado/sozinho e já tenta deixar ele lá vários minutos. A gente sempre começa com apenas alguns segundos e vai aumentando um pouco a cada dia;
  2. Trancar o cão, ele começa a latir/arranhar a porta e aí vai lá e abre ou solta enquanto ainda está latindo/arranhando. Isso só reforça o latido e a tendência é cada vez ficar pior.

Independente de você estar trabalhando em casa ou não, a preocupação número um de qualquer pessoa que traz um cão para casa deveria ser em preparar esse cachorro para ficar sozinho. Além do que, você eventualmente terá que sair de casa ou até mesmo voltar a trabalhar fora.

Acostumar a ficar sozinho vai além do “tchau, se cuida”

Acostumar o cão a ficar sozinho não é passar o final de semana inteiro junto com ele e na segunda-feira de manhã sair de casa e deixar ele sozinho por 8 horas seguidas. Muitas vezes a pessoa sequer preparou o cão para isso. Não basta dizer: “totó, a mamãe vai trabalhar e volta daqui a pouco, tá bom? Fica bem e se cuida.”

Se o seu cão entendesse o que você fala e se ele entendesse que você logo voltaria, seria muito mais fácil. Mas mesmo assim eu acredito que muitos deles teriam dificuldades ao ficarem isolados socialmente do mundo e de tudo que é legal na vida deles.

No melhor dos casos, o seu cão passará horas entediado (pois cães precisam de atividades durante o dia que não são compatíveis com ficar dormindo dentro de casa) e acabará saindo pela casa caçando coisas para fazer. Se quiser saber mais sobre o que os cães precisam para serem felizes, dê uma lida no nosso artigo sobre o assunto.

Sendo otimista, ele irá destruir apenas uns 3 ou 4 sapatos, comer os cabos da TV, dar uma roída na mesa de jantar e fazer uns 5 xixis pela casa, de preferência nos tapetes.

No pior dos casos, ele ficará desesperado na primeira hora sozinho, achando que foi abandonado e que está jogado à própria sorte para sobreviver. Adivinha só o que um cão sabe fazer para sobreviver? Latir, chorar, uivar e tentar fugir.

Tenho dó de deixar ele preso quando estou em casa

Sabendo disso, a melhor coisa que você pode fazer pelo seu cão é, primeiro, não deixar ele solto pelo apartamento inteiro o tempo todo. Isso evitará muita dor de cabeça. “Ah, mas ele vai ficar preso, coitado?” Sim, ele vai ficar preso enquanto você não pode supervisionar, mas ficar preso não significa que ele não pode ter nada para fazer enquanto está lá.

Se quiser saber mais sobre como enriquecer o ambiente do cão e tornar esse lugar mais interessante, há uma série de treinos e exercícios que você pode fazer com o seu cão dentro do curso Cão Popstar para ter um cãozinho mais independente e que gosta de ficar sozinho.

Outra coisa: deixar o cão restrito com você em casa também faz parte do processo de adaptação. Você tem dó de deixar ele restrito com você em casa podendo dar atenção, mas não tem dó de deixar ele sozinho por 6 ou 8 horas seguidas sem nada para fazer quando vai trabalhar?

Essa é a realidade da maioria e teremos que trabalhar em cima disso para que seja o menos traumático e estressante possível para esse cão.

O que fazer para o cachorro não chorar quando ficar sozinho?

Agora nesse período em que estamos mais em casa é a melhor hora de trabalhar isso, sabe por quê?

Porque as pessoas não vão ter que obrigar o cão a ficar sozinho por muitas horas seguidas de primeira. Aproveite para fazer essa adaptação gradual. Para isso, você pode dividir o trabalho em duas etapas.

A primeira consiste em comprar um cercadinho, portãozinho ou até mesmo improvisar uma barreira para ir fazendo esse afastamento gradual.

No início o cão ficará apenas 15 minutos sozinho com um brinquedo recheado que ele ama. Mais tarde você faz de novo aumentando alguns minutos.

Amanhã você tenta fazer durante 30 minutos. Depois de amanhã, 40 minutos, depois 1 hora e assim por diante. Faça isso até o seu cão conseguir ficar 4 horas lá preso sem se preocupar com o que está acontecendo lá fora, pois todas as coisas boas estão lá com ele.

A segunda fase, que pode ser feita em paralelo com a primeira, é estipular uma meta de saída falsa que o seu cão consegue ficar bem sozinho sem apresentar qualquer sinal de desespero, como latidos, arranhar a porta ou sinais fisiológicos como ficar babando ou tremendo.

Tendo estipulado a meta, você deixará um sinal visual para o seu cão na saída e fará algumas saídas falsas aleatórias sempre abaixo da meta estabelecida. No próximo treino você pode aumentar a meta, caso o cão tenha ficado bem em todas as saídas falsas, ou regredir o tempo caso tenha ficado estressado.

Se quer ver mais detalhes sobre esse protocolo de treino, veja essa live que fiz com uma de nossas alunas do curso Cão Popstar que está com dificuldades em deixar seu cão sozinho em casa.

Cachorro destruidor

A hora da verdade: cachorro ficar sozinho em casa

Quando você chegar nesse ponto, feito de maneira gradual como sugerido, há grandes chances do seu cão já estar gostando de ficar separado porque sabe que nesse cantinho é onde todas as coisas boas acontecem na vida dele. Ele já estará muito mais preparado para lidar com o fato de você ter que sair de casa para trabalhar ou resolver alguma coisa.

Quando você de fato precisar sair, você preparará todo o ambiente, deixará muitas coisas para esse cão fazer, além do sinal visual das saídas falsas, sem contar que ele já sabe exatamente o que acontecerá. Lembrando que não recomendamos que nenhum cão fique muito mais que 6 horas sozinho como parte da sua rotina.

Você pode se esforçar para voltar para almoçar em casa, deixar o cão na casa de alguém, pedir para algum amigo ou parente passar na sua casa para cuidar do cão ou até mesmo pagar para que alguém fique com ele ou vá cuidar dele. Enfim, encontre uma maneira de quebrar esse tempo de solidão em períodos menores.

Muitos terão desistido antes de começar

Se você fez isso tudo, é só correr pro abraço e comemorar, pois você merece. Não é fácil, mas está aí o caminho que é necessário ser trilhado para o cão não ter problemas em ficar sozinho. Alguns conseguirão em um mês, outros precisarão de vários meses. Alguns irão inclusive ler isso tudo e não farão nada.

É assim mesmo, a diferença da pessoa que tem resultados e a que não tem, na maioria das vezes não é não saber o que fazer. A diferença é que uma pessoa faz, enquanto a outra só fica olhando e se lamentando.

Há casos mais graves de problemas de separação que é preciso o acompanhamento de perto de um profissional.

Caso contrário o problema pode ficar cada vez pior e ainda há casos em que há a necessidade de uma consulta com um médico veterinário comportamentalista para analisar a necessidade de utilizar algum psicofármaco para auxiliar no tratamento.

Na dúvida, procure um profissional.

Rafael Velozo

Rafael Velozo

É adestrador comportamentalista, fundador da Cão+Saudável e idealizador do Portal Cão+Saudável.
COMPARTILHE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
LEIA MAIS
DEIXE UM COMENTÁRIO